Curso de Fisioterapia do Unifunec oferece à população Programa de Redução da Obesidade Infantil



Publicado por @funec | Assessoria de Comunicação da Funec - Santa Fé do Sul - 14/09/2018

O curso de Fisioterapia do Centro Universitário de Santa Fé do Sul – Unifunec, desenvolve no Centro de Reabilitação, projetos e programas especiais voltados a um público específico. Um deles é o Programa de Redução da Obesidade Infantil (PROI).  O grupo de participantes do projeto é composto por um total flutuante de aproximadamente 20 crianças, de ambos os sexos, com idade entre quatro e 16 anos, diagnosticadas com sobrepeso ou obesidade infantil, segundo a classificação do Índice de Massa Corporal (IMC).

Após serem avaliadas por uma equipe multidisciplinar da Clínica de Atenção à Saúde (Clias), as crianças são encaminhadas para ao projeto, onde participam de atividades lúdicas em solo e água, que visam à perda de peso e a correção postural. As atividades são realizadas duas vezes por semana, durante uma hora.

O aumento da prevalência da obesidade em crianças e adolescentes, as suas repercussões biopsicosociais, os altos percentuais de recidivas e o grande risco de que a criança obesa se torne um adulto obeso, fazem da obesidade infantil um dos mais alarmantes problemas nutricionais na infância

No Brasil, estima-se que cerca de 15% a 20% das crianças e adolescentes são obesos. “As doenças cardiovasculares e o diabetes, cuja prevalência e morbimortalidade em adultos são muito altas, apresentam a obesidade como um importante fator de risco. Daí a importância de se implementar medidas de redução e controle de peso na infância”, explicou a professora responsável pelo programa, Fabiana Mendes Camilo.

A coordenadora do curso, Profª Me. Luciana Faissal, ressaltou a obesidade infantil é fator desencadeante de diversas doenças. “Diabetes, hipertensão e colesterol alto são alguns dos agravantes da obesidade infantil não tratada. Essa condição também pode levar a baixa autoestima e a depressão, diminuindo consideravelmente a qualidade de vida dessas crianças e adolescentes”.